Workshop STORYTELLING: A importância de uma boa história na apresentação de projetos

Na já longa parceria com a APGEI, a Mindshake desenhou uma nova ação-formação para as empresas, facilitada pela designer e storyteller Mariana Mattos.

ENQUADRAMENTO
O termo Storytelling tem ganho relevância no panorama empresarial. Trata-se de uma poderosa ferramenta na transmissão e assimilação de mensagens, inclusivamente na gestão e administração de organizações. Como? Organizando factos reais, numa narrativa estruturada, trabalhando os elementos e as mensagens que compõem a história.

O principal segredo do Storytelling está em atribuir significados emocionais a elementos técnicos, num determinado contexto. Este contexto emocional ajuda a trabalhar a curiosidade e as expectativas, aumentando o envolvimento da audiência. A promoção da humanização nas organizações, ativando o sentimento de pertença e empatia, fará com que a mensagem seja lembrada, quase instantaneamente pelo público-alvo.

OBJETIVOS
– Sensibilizar para a importância da narrativa na apresentação de projetos;
– Assimilar os fundamentos do Storytelling;
– Conhecer os elementos de uma “história bem contada” (estrutura, ritmo, personagens, …);
– Experimentar na prática alguns dos métodos introduzidos;
– Praticar o processo de criação coletiva;
– Integrar a estrutura narrativa numa apresentação/pitch.

PROGRAMA
Introdução teórica aos conceitos deStorytelling:
 – Estrutura da narrativa: princípio, meio e fim.
– Identificação das personagens: protagonista, antagonista, parceiro mentor, …
– Identificação dos fatores de interesse e ritmo na narrativa.

  1. Método ‘3, 1 (…)’:
    – Exercício prático em grupo para identificar a “moral da história”.
    – Problema – solução – público alvo.
    – Exercício prático em grupo para estruturar a “moral da história”.
  1. Descobrir “a sua história”:
    – Exercício prático em grupo para escrever “a sua história”.
    – Identificar as personagens, o contexto e a ação.
  1. Da história ao pitch:
    – Exercício individual para adaptar a história do grupo a um pitch de 2 minutos.
    – Partilha dos pitches no grupo e receção de feedback.
    – Apresentação individual dos pitches.
DATA E HORÁRIO
28 Novembro 2017  •  09h00 - 13h00

INSCRIÇÕES
Associados 240 Euros
Não Associados 340 Euros
Inscrições on-line em www.apgei.pt ou através do e-mail info@apgei.pt

 

 

MAIS INFORMAÇÕES
APGEI
Rua de Salazares, 842 • 4149-002 Porto
Tel. +351 225 322 068
info@apgei.pt • www.apgei.pt

WORKSHOP CREATIVE CONFIDENCE “Encontre o seu EuGénio criativo”

ENQUADRAMENTO
A cultura organizacional é um fator central para o sucesso ou fracasso da promoção da inovação e da criatividade nas empresas. As pessoas são o motor de mudança das organizações. Um ambiente aberto e estimulante na empresa, e pessoas confiantes nas suas capacidades criativas, são condição fundamental para processos criativos fluídos e processos de inovação contínuos.

O conceito da ‘Confiança Criativa’ centra-se na convicção que todas as pessoas têm o potencial e a capacidade de provocar mudanças no mundo em que vivemos. O nosso cérebro foi desenhado para resolver problemas, é algo que nos é natural. Todos temos a capacidade de pensar criativamente, mas alguns desenvolveram mais as suas aptidões criativas do que outros, devido aos seus contextos educacionais e profissionais.

Frequentemente, as habilidades criativas são esquecidas na resolução dos problemas mais convencionais, devido ao excesso de confiança no pensamento racional e analítico. Desta forma, muitos colaboradores perdem o hábito de pensar diferente e divergentemente. Instala-se uma certa insegurança relacionada com as próprias capacidades criativas de cada um. Mas segundo David Kelly (fundador da IDEO), é a fé na nossa própria capacidade criativa que é o coração de toda a inovação. É com base nesta confiança criativa dos colaboradores que as empresas desenvolvem o hábito da inovação contínua e da adaptação rápida às mudanças.

OBJETIVOS
– Reconhecer a importância da criatividade na vida profissional;
– Conhecer melhor o nosso potencial criativo através de um diagnóstico de criatividade;
– Aumentar a autoconfiança no potencial criativo inato;
– Ganhar coragem de experimentar coisas novas e de ‘brincar’ com ideias;
– Perder o medo de errar em processos de inovação;
– Ficar motivado para trabalhar mais em equipa;
– Utilizar a escuta e o feedback para ativar a inteligência coletiva do grupo;
– Compreender como problemas e desafios são oportunidades para a inovação;
– Desenhar um plano de ação de criatividade a curto/médio prazo;
– Aprender a olhar para as atividades da empresa de forma diferente e inovadora.

PROGRAMA
O que é a Criatividade? O que é a Confiança Criativa?
Mitos sobre a criatividade, exemplos inspiradores, jogos para a confiança criativa.
Aplicação de duas técnicas de pensamento criativo: “Brainwriting” e “Insight Clustering”.

A importância do erro.
O medo de errar (Freeze, Fight ou Flight), o poder da vulnerabilidade no processo criativo.
O jogo como ferramenta de conexão.
Aplicação de uma técnica de pensamento criativo: “Relações Forçadas”.

Comunicação carismática.
Aplicação das técnicas de pensamento criativo “Storytelling” e “Storyboarding”.

O meu EuGénio criativo.
Aplicação da técnica de pensamento criativo “Mapa Mental”.
Plano de ação: a criatividade aplicada no universo pessoal e profissional.

Não sabendo que era impossível, foi lá e fez!
Jean Cocteau

METODOLOGIA
Nas atividades desta formação utilizar-se-á uma metodologia pedagógica participativa, “learning by doing”, para facilitar a aquisição do conhecimento e a geração de novas ideias em grupo. Os exercícios práticos e as técnicas aplicadas provêm das áreas metodológicas da Criatividade, do Inquérito Apreciativo, do Creative Problem Solving, dos Princípios do Jogo, do Teatro de Improvisação, do Dragon Dreaming e do Design Thinking.

Através de um olhar apreciativo e uma postura positiva, pretende-se tornar visível, que a criatividade já existe em cada um, aumentando desta maneira a zona de conforto e a confiança criativa de todos os participantes.

DESTINATÁRIOS
Quadros Superiores de todas as áreas de conhecimento, que pretendam diferenciar-se através de um mindset potenciador à inovação: diretores de departamentos de inovação, gestores de projeto, marketeers, engenheiros, etc.

FORMADORES
Katja Tschimmel
Trabalha em dois universos, o empresarial (MINDSHAKE – Consultoria e Formação em Criatividade) e o académico (Porto Business School, ESAD Matosinhos e Laurea University). Licenciada e doutorada em Design e com um Mestrado em Criatividade Aplicada, investiga as áreas de Pensamento Criativo, Design Thinking, Processos Criativos e Inovação há mais de que 15 anos. Apresenta o seu trabalho em conferências nacionais e internacionais, tendo sido keynote speaker em numerosos eventos. É autora do livro Processos Criativos (2011) e do Modelo de Design Thinking Evolution 62, licenciado em Creative Commons (2015). Como formadora tem uma vasta experiência na conceção e realização de cursos e workshops relacionados com a Criatividade e a Inovação, Processos Criativos nas Organizações, Técnicas do Pensamento Criativo e (Service) Design Thinking. Acredita que a consciencialização dos fatores que incentivam a criatividade contribui para uma maior eficácia nos processos de inovação das empresas.

Virgílio Varela
É consultor e formador certificado com uma vasta experiência de trabalho em diversas metodologias criativas e sistemas de capacitação de grupos e organizações em países como Portugal, Espanha, Brasil, Alemanha, Reino Unido.  No trabalho que desenvolve, integra a intuição, a criatividade, a sustentabilidade e o pensamento crítico, através de ferramentas transformadoras como o Dragon Dreaming, ABCD, System Thinking, Design Thinking, Open SpaceTechnology e Theory U. Tem um Mestrado em Educação pela King’s College-University of London e leciona cursos intensivos de  Empreendedorismo Social no Instituto de Empreendedorismo Social – Social Business School. É orador em vários eventos e conferências em tópicos como Inovação Social, Inovação Comunitária, Empreendedorismo Social.  Atualmente é co-fundador do Possibilities Institute e colabora como co-autor em alguns projetos de formação com a MINDSHAKE.

DATA E HORÁRIO
5 Abril 2017 • 09h00 – 13h00 | 14h00 – 18h00

INSCRIÇÕES
Associados 470 Euros
Não Associados 590 Euros
Inscrições on-line em www.apgei.pt ou através do e-mail info@apgei.pt

Os valores mencionados estão isentos de IVA.
Estes preços incluem: café, documentação e almoço.
A participação no workshop só será válida após boa cobrança.

O número de inscrições é limitado.

PAGAMENTOS E CANCELAMENTOS
Por cheque: à ordem da APGEI.
Por transferência bancária para o NIB: 0010 0000 15380860004 91 (Banco BPI)

Qualquer desistência deverá ser comunicada por carta ou e-mail para a APGEI, até 2 dias úteis antes da realização do Workshop, após o que não haverá lugar a reembolso.

INFORMAÇÕES
APGEI Rua de Salazares, 842 • 4149-002 Porto
Tel. +351 225 322 068info@apgei.ptwww.apgei.pt

Gijs van Wulfen na Mindshake House

A MINDSHAKE teve o prazer de receber na sua casa o especialista holandês em inovação, Gijs van Wulfen, para um workshop “exclusive” com 9 participantes de várias organizações portuguesas.

O workshop baseou-se no novo livro The Innovation Mazeno qual Gijs van Wulfen explica como se pode navegar pelo labirinto da inovação. Assim, no workshop falou-se das várias rotas de inovação: 1. A rota da IDEIA: Começando com uma nova ideia; 2. A rota da TECNOLOGIA: Descobriu uma nova tecnologia; 3. A rota do CLIENTE: Identificou um problema, do cliente, sem solução; 4. A rota do NEGÓCIO: Seu negócio precisa inovar.

Gijs van Wulfen partilhou valioso conhecimento sobre inovação, e o fez com imenso entusiasmo e humor. Um verdadeiro Storyteller!

Na componente prática, os participantes realizaram um innovation assignment, para treinar a formulação de uma intenção para inovar. Foram trabalhados perguntas como: Qual a razão para inovar? Previsão ou urgência? O que procura-se desenvolver, um conceito evolutivo ou revolucionário? Quem é o grupo target? Business to Business ou Business to Consumer? Para quem o conceito deve ser novo: para a empresa, para o mercado nacional ou para o mundo? Quando o projeto de inovação deve ser implementado, em 1 ano ou em 5? Quais são os critéria de avaliação do sucesso?

Seguem algumas imagens que mostram o excelente ambiente de trabalho. Até a próxima visita a Mindshake House Gijs van Wulfen!

Open Day – MINDSHAKE HOUSE

PT
No âmbito da Semana Internacional de Criatividade e Inovação (World Creativity and Innovation Week* wciw.org/wciw2016), a equipa da Mindshake celebrou o 564º aniversário de Leonardo da Vinci, com um OPEN DAY na MINDSHAKE HOUSE.
No dia 15 de abril testamos e celebramos as habilidades do pensamento criativo, em pequenos exercícios e experiências de perceção.

– CREATIVE FOOD MOMENT- Broa d’Avinci (exercício de co-criação);
– CREATIVE TEA MOMENT – Degustação do Mindshake Tea e outros chás Camélia com exercícios de Escrita Criativa; o seu sabor, o seu aroma, a sua textura como ferramenta para desbloquear e estimular o Processo Criativo;
– BIBLIOTERAPIA – O poder terapêutico da leitura, no desenvolvimento pessoal e corporativo;
– MAPA MENTAL COLECTIVO – visualização da experiência no Open Day na Mindshake House;
– MINDSHAKE GAME – um espaço para a ginástica mental através do jogo;
– DRINKSHAKING – Com “Dry White”, os vinhos “Sem Par”, outras bebidas e especiarias, convidamos a prepara bebidas originais.
– “JEWELLERY MEETS ILLUSTRATION” e “ConTextilizando a Foz” foram as exposições que acompanharam as atividades.


EN
Within the World Creativity and Innovation Week (wciw.org/wciw2016), the Mindshake team celebrated the 564º anniversary of Leonardo da Vinci with an OPEN DAY in the MINDSHAKE HOUSE.

On the 15th of April we tested and celebrated creative thinking abilities in small exercises and perception experiences.

CREATIVE FOOD MOMENT- Broa d’Avinci (co-creation exercise);
– CREATIVE TEA MOMENT – tasting the “Mindshake Tea” and other “Camelia” teas with creative writing exercises: its flavor, its aroma, its texture as a tool to unlock and stimulate the creative process;
– BIBLIOTHERAPY – The therapeutic power of reading, in personal and corporate development;
– COLLECTIVE Mind Map – mapping the experience of the Open Day in the Mindshake House;
– MINDSHAKE GAME – a space for mental gymnastics through gaming; DRINKSHAKING – with Dry White Port, Red and White “Sem Par” and other drinks and spices, our guests were invited to prepare original drinks.
– “JEWELLERY MEETS ILLUSTRATION” and “ConTextilizando FOZ” were the exhibitions that accompanied the activities.